COC/SMEL/Foz e ADC Bradesco faturam Copa Brasil de Clubes Sub-14 e Sub-16 Feminino

12.06.2018   |   Copa Brasil de Clubes
Compartilhe Facebook Twitter

Entre os dias 05 e 10 de junho, os ginásios do Círculo Militar do Paraná e da Sociedade Thalia, em Curitiba (PR), receberam a Copa Brasil de Clubes Sub-14 e Sub-16 Feminino. Mais uma vez a competição foi um sucesso, com a participação de sete equipes no Sub-14 e 12 no Sub-16.

O Coordenador-Técnico da CBB, Alex Oliveira, ressaltou o crescimento da competição de 2017 para 2018. “Temos que destacar o crescimento da competição. Em 2017 tivemos cinco equipes no Sub-14 e seis equipes no Sub-16. Esse ano, em função de todo o trabalho realizado de organização e divulgação, conseguimos aumentar esse número para sete no Sub-14 e 12 no Sub-16. Além disso, verificamos uma melhora no nível técnico e a agradável surpresa da equipe de Foz do Iguaçu sendo campeã no Sub-14. Melhoramos também com a implantação das estatísticas dos jogos em tempo real e contamos com a presença na competição do técnico da Seleção Brasileira Feminina, Carlos Lima. Então, dentro do que foi planejado, ficamos satisfeitos com o resultado. Temos que agradecer também à Sociedade Thalia, através do Presidente Vilmar Anildo Schultz, e do Coordenador de Projetos Esportivos Claudio Carnieri, por mais uma excelente organização da competição”, avaliou o Coordenador-Técnico da CBB.

O técnico da Seleção Brasileira Feminina Adulta, Carlos Lima, esteve presente na competição e aproveitou para fazer suas observações e ampliar os contatos.

“Estou bastante feliz com o que vi nessa Copa Brasil de Clubes. Muita gente boa realizando ótimos trabalhos em prol do basquete feminino, além de grandes promessas a serem lapidadas visando o futuro. Conversei com alguns técnicos sobre as dificuldades que eles encontram, o que precisa melhorar, trocamos muitas ideias. É uma competição que veio para ficar. Estamos com sete equipes no Sub-14 e 12 no Sub-16. Isso já representa um crescimento e esperamos que esses números aumentem, com equipes de todas as regiões do país podendo participar, o que possibilitará uma maior gama de atletas a ser observada no futuro.”, afirmou Carlos Lima.

 

A energia que vem de Foz do Iguaçu

No sub-14, a equipe paranaense do COC/SMEL/Foz foi a grande campeã invicta, com seis vitórias em seis jogos. Mais do que uma taça, essa conquista premia e coloca os holofotes sobre um bonito projeto desenvolvido em Foz do Iguaçu.

O projeto começou em 2010 com a Associação de Basquete de Foz do Iguaçu (Abasfi) e o professor Claudio Lisboa. O objetivo era desenvolver o basquete na região sem ter que depender 100% de apoio de Prefeitura, visando participar de algumas competições e dar um apoio melhor às atletas.

Os frutos de toda essa dedicação logo começaram a aparecer. Em 2012 veio o primeiro título estadual. Em 2017, das seis categorias de base no Paraná, a equipe ganhou cinco. “A maioria dessas meninas começou através de um projeto de 2014 na Itaipu Binacional, chamado “Força Voluntária”, no qual os funcionários de Itaipu escolhem um projeto social para fazer trabalho voluntário. Fomos contemplados em 2014 e 2015. Com esse auxílio, compramos uniformes e promovemos alguns festivais sem cunho competitivo. Então essas meninas começaram a gostar do basquete, aos poucos fomos inserindo elas nas competições até que os resultados começaram a aparecer. Essa equipe nunca perdeu um jogo desde o Sub-12. Estão invictas nessa idade de 2004. Então, apesar da pouca idade, é uma equipe que já vem jogando junta há algum tempo e por isso já tem uma certa experiência. Inclusive no ano passado elas disputaram o Brasileiro de Seleções pelo Paraná, sendo que das 12 atletas da Seleção paranaense, sete eram da nossa equipe de Foz e o Paraná foi campeão lá em Santa Catarina, vencendo as donas da casa na final. Já participaram também do Sul-Americano de Novo Hamburgo (RS) e nos Jogos Escolares do Paraná fomos bicampeões em 2016 e 2017. Enfim, elas já têm uma boa bagagem de jogos”, explicou o técnico da equipe, Douglas Amancio.

Douglas aproveitou também para avaliar a competição e o desempenho da sua equipe. “Essa Copa Brasil de Clubes veio em boa hora para podermos ganhar experiência. Quase todas as meninas que foram campeãs este ano estiveram na competição de 2017, então já sabiam como funcionavam as coisas, os desafios, as dificuldades e isso acabou sendo uma vantagem. Ano passado ficamos em quarto lugar, perdendo o segundo lugar e a medalha no desempate, e essa experiência valeu para esse ano elas estarem mais preparadas para os jogos decisivos do campeonato. O basquete brasileiro precisa de mais competições desse tipo. Elas motivam não só atletas, técnicos e dirigentes, mas também os patrocinadores”, avaliou o treinador.

O caminho da COC/SMEL/Foz até a Copa Brasil de Clubes não foi fácil. Foram vendidas muitas rifas e muitos parceiros ajudaram na participação da equipe. O principal deles é a Secretaria Municipal de Esportes de Foz do Iguaçu, que além de ajudar com parte dos custos também apoia com o projeto Bolsa Atleta. A Usina Hidrelétrica de Itaipu Binacional também vem contribuindo com o crescimento do basquete na região da tríplice fronteira. As equipes de basquete de Foz do Iguaçu são apoiadas ainda pela iniciativa privada: Colégio COC Semeador, Faculdade Uniamérica, Panorama Home Center, Tcheloco Eletrônicos, Atacado Games, Neupar Pneus, Restaurante Adriano - Vila Yolanda, Sunset Turismo, Arte Tintas, Casa D'Esquina Restaurante - Centro, Ibra Um e N1 Logística.

Na foto acima temos em pé: Maximiano Duarte (Preparador Físico), Ashley Schwartz, Rafaela Serrano, Ketlin Rohde, Ágata Kreff, Danieli de Campos, Janaína Gonçalves (auxiliar) e Douglas Amancio (técnico). Agachadas: Luz Gabriela Cabral, Emily Biermann, Eshiley Henrique, Adrielly Morinigo, Jennifer Pereira, Gabriela Freitas, Emily Severino e Candy Michelly Tseng.

 

ADC Bradesco leva o bicampeonato no Sub-16

No Sub-16, a equipe paulista da ADC Bradesco, comandada pelo técnico Paulo Vasconcelos, conquistou o bicampeonato da Copa Brasil de Clubes. A campanha foi irretocável: seis jogos e seis vitórias. Vasconcelos destacou a importância da competição para o desenvolvimento do basquete feminino no Brasil.

“A Copa Brasil de Clubes está se consolidando, com um número maior de equipes participantes e com mais qualidade que na edição anterior. A competição conta com uma boa fórmula de disputa, promovendo um grande número de jogos bem parelhos, e isso contribui para que o basquete feminino volte a crescer no país”.

Sobre o desempenho de sua equipe, Vasconcelos disse estar muito satisfeito e com a certeza de que o trabalho que vem sendo realizado pela ADC está no caminho certo.

“Ficamos muito felizes não apenas com o resultado, mas pela forma que a equipe se apresentou nesses seis dias de torneio. Nós vencemos 23 dos 24 quartos disputados e empatamos apenas um. Isso demonstra a seriedade, intensidade, concentração, coletividade e respeito pelos adversários, aplicadas por todas as atletas durante todo o torneio. Isso reforça para todos nós da comissão técnica da ADC Bradesco que o trabalho coordenado pela Macau e pelo Cristiano Cedra está no caminho certo”, finalizou Vasconcelos.

 

Mulheres no apito

Outro destaque nessa Copa Brasil de Clubes foi a arbitragem. Pela primeira vez no Brasil tivemos uma equipe de Arbitragem formada somente por mulheres. “Esse acontecimento é excelente para o desenvolvimento da Arbitragem Feminina. Foram 16 meninas de 11 estados representando quatro regiões do País. Em breve teremos outra competição com equipe feminina”, destacou o Coordenador de Arbitragem da CBB, Vander Lobosco Jr.

 

FIBA
Os Wodens!
Topo