CBB: um ano de desafios

14.03.2018   |   Confederação Brasileira de Basketball
Compartilhe Facebook Twitter

Ao fim do primeiro ano, o presidente Guy Peixoto faz um balanço de sua gestão

Há um ano o presidente Guy Peixoto era eleito para dirigir a Confederação Brasileira de Basketball (CBB). Para o ex-jogador, o compromisso de gerir os rumos do esporte era a forma de ver o basquete de volta aos trilhos e ao seu lugar no cenário internacional. Vencido o primeiro período, Guy pode resumir essa etapa com apenas duas palavras: dificuldade e prazer. Foi assim que a nova gestão da CBB enfrentou os últimos 12 meses, encontrando pela frente imensos obstáculos, mas sentindo enorme alegria ao conseguir transpô-los e subir alguns degraus em direção a uma Confederação com maior participação da comunidade do basquete, um novo estatuto, novos patrocinadores, transparência, ginásios lotados em jogos da seleção masculina, investimento no basquete 3x3, nova modalidade olímpica, e uma certeza: há muito a ser feito, mas o objetivo, mais do que nunca, é virar o jogo.

Abaixo, Guy Peixoto fala um pouco sobre seu primeiro ano à frente da CBB e, no dia de seu aniversário de 57 anos, conta, para começar, qual seria o maior presente que gostaria de ganhar.

 

Presentão

Não haveria melhor presente do que um patrocinador máster para a CBB. Esse seria um daqueles presentes que a gente não esquece.

 

Dificuldade

Quando aceitei me candidatar, e representar outros amantes do basquete que sofriam ao ver nosso esporte em situação tão precária, já imaginava que teríamos muita dificuldade, mas não que o cenário fosse tão cruel. Encontramos uma CBB punida pela FIBA, repasses do Comitê Olímpico Brasileiro bloqueados, sem as certidões fiscais que nos impediam de pleitear qualquer coisa, prestações de contas com o Ministério dos Esportes atrasadas, sem patrocínios, várias contas por pagar e mergulhada em uma crise de reputação de graves consequências.

 

Primeiros passos

Era impossível executar qualquer plano antes de melhorar as condições encontradas. Como sempre falei que faria, contratamos uma auditoria que nos revelasse a real situação da CBB e nos concentramos em procurar a FIBA para regularizar a situação junto à Federação Internacional. Para isso, fomos obrigados a mostrar que não estávamos blefando, que de fato faríamos todos os sacrifícios para conseguir a suspensão da punição. Começamos por cortar drasticamente os gastos e passamos a operar com o mínimo possível para seguir funcionando, com metade da equipe anterior e uma redução de 60% na folha. Botamos os salários em dia, renegociamos dívidas com fornecedores e antigos funcionários e conseguimos a CND – Certidão Negativa de Débito. Com isso, inclusive, nos tornamos aptos a voltar a receber a verba do COB, sem a qual não sobreviveríamos.

 

Primeira vitória

Nossa primeira vitória foi fora das quadras. Três meses depois de tomar posse conseguimos a retirada preliminar da suspensão da FIBA e fomos autorizados a voltar a disputar competições esportivas. Os primeiros resultados das equipes adultas não foram bons. O feminino não conseguiu a classificação para o Mundial e o masculino ficou em 10º na AmericaCup. Foi mais uma adversidade, mas tínhamos que ir em frente, dar o pontapé inicial e começar a fazer a bola rodar.

 

Dentro de quadra

Em meio à situação complicada, conseguimos levar adiante o que sempre me comprometi a fazer, pensar na base. Fomos fundo no acordo com o CBC (Comitê Brasileiro de Clubes) e realizamos 10 campeonatos nacionais de base de clubes - nas categorias sub-12, sub-13, sub-14, sub-15, sub-16, sub-17, sub-18 e sub-21. Todos com a organização da CBB, com uma equipe mínima, trabalhando sem parar.

Com mais tempo e recursos do COB, que nos permitiram trazer um novo técnico para a seleção masculina, o croata Alex Petrovic, demos início à nova fase da equipe masculina. Dessa vez o desafio era duplo: ter um bom resultado esportivo e sediar uma competição FIBA, com todo o seu caderno de encargos. Vencemos os quatro jogos da Classificatória para a Copa do Mundo 2019, em duas janelas, e o desafio de fazer três jogos inteiramente dentro do padrão, com elogios da FIBA, batendo, inclusive, o recorde mundial de público das Classificatórias na partida contra o Chile, em Goiânia, reunindo 10.500 pessoas. É claro que contamos com ajuda, do Ministério do Esporte, da AGLO (Agência de Governo do Legado Olímpico) e de uma equipe que conseguimos reunir, para somar à equipe CBB, trabalhando 24 horas por dia.

Outra grande felicidade foi nosso primeiro título: o Sul-Americano sub-14 masculino. Comemoramos como uma medalha olímpica, afinal era resultado direto do cuidado e dedicação à base nas competições ao longo do ano. E teve mais, o feminino da mesma categoria foi vice-campeão.

 

Basquete 3x3

Agora chegou a vez do basquete 3x3. Estamos olhando para essa modalidade com o maior carinho. É uma nova modalidade olímpica e também um novo produto para a CBB oferecer ao mercado. Precisamos criar produtos, atrair patrocinadores, ter o que apresentar de novo para o mercado. Fechamos com a Motorola um patrocínio para o 3x3, e de 21 a 25 de março será realizada a primeira etapa do Circuito Nacional Pro de Basquete 3x3, no Rio de Janeiro, no Shopping Via Parque. Até o final do ano serão disputadas mais 5 etapas e 2 competições internacionais, o Challenger e a Copa Sul-Americana. Essa programação vai se repetir nos próximos 4 anos. As primeiras etapas serão transmitidas na web e a última pelo SporTV, assim como as disputas internacionais.

 

Patrocinadores

Estamos trabalhando incessantemente na busca de novos patrocinadores. Ainda não temos um patrocínio máster, que nos é essencial. Sem uma injeção de verba é quase impossível seguir com planos que de fato levem o basquete de volta a seu lugar. Fechamos com a Motorola para patrocinar o 3x3 e também ter a marca na camisa das seleções. Concretizamos parcerias importantes: com a BDO, que fará todo nosso processo de GRC – Governança, Riscos e Conformidade, em uma negociação inédita no cenário esportivo do Brasil; a Recoma, que se tornou a fornecedora oficial de pisos do basquete brasileiro, e a Spalding, fornecedora oficial de bolas da CBB, tendo até lançando recentemente a bola com a logo oficial da Confederação nas versões masculina e feminina. A Mercedes Benz firmou um regime de comodato com o ônibus do basquete brasileiro, um veículo especial, com nomes de grandes ídolos bordados em cada banco. Nossa fornecedora de material esportivo segue sendo a Nike, uma gigante do mercado, de quem não precisamos apresentar credenciais.

 

Ídolos na CBB

Em agosto concretizamos um sonho meu, trazer a comunidade do basquete para dentro da CBB. Mudamos o estatuto e aumentamos o colégio eleitoral de 28 para 43 votos, dando voz e voto a 10 atletas, 2 técnicos e 4 clubes, sempre preservando a equidade no gênero. Já na próxima Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada no dia 26 de março, estarão os atletas Hortência, Norminha, Paula, Agra, Oscar e Marcel, como também Cadum e Iziane. Todos eleitos pelos próprios atletas em eleição direta. Os representantes dos clubes serão Flamengo, Macaé (no masculino), indicados pelo NBB, e Presidente Venceslau (feminino), indicado pela LBF. Marco Aurélio Pegolo dos Santos, o Chuí, e Maria do Carmo Ferreira, a Macau, serão os representantes dos técnicos, indicados pela Associação dos Técnicos de Basquete do Brasil. A Associação dos Atletas Profissionais também se fará presente, através de seu presidente Guilherme Teichmann e a vice-presidente Helen Luz. Quando falava em transparência e melhor governança não via como fazer isso sem a participação da comunidade do basquete. Além disso, o novo estatuto contempla critérios de elegibilidade mais acessíveis para o cargo de Presidente da CBB e a criação do Conselho de Administração.

 

Basquete de todos e um só

Uma outra preocupação nossa foi o diálogo com as duas Ligas do Basquete Brasileiro – LNB e LBF, para trabalharmos em conjunto, visando o crescimento do esporte. O basquete brasileiro não é só clubes, como também não é só seleção. O esporte é uma coisa só e não tem um dono. Quem gosta de basquete trabalha para seu desenvolvimento, é preciso que o diálogo esteja estabelecido.

 

Basquete feminino

Muita gente ainda nos cobra uma evolução do basquete feminino. Não está fora do nosso radar, tanto que no dia 20 de março, em Campinas, vamos focar no feminino. Vamos realizar o painel do Basquete Feminino em Campinas, que vai servir como um grande debate, com a participação de atletas, ex-atletas, técnicos, clubes, a Liga Feminina e quem mais puder contribuir para o tema. Não há dúvida de que a situação do feminino é bem mais complicada que a do masculino, até pelo número de praticantes. Esse vai ser o primeiro passo para nos voltarmos ao feminino e dar a atenção que merece.

 

Próximo ano

Agora que demos a primeira arrumada na casa, temos que ter condições para fazer mais. E para seguir precisamos de verba, o que significa dizer que vamos concentrar esforços na busca do patrocinador máster. Ao mesmo tempo, seguiremos fazendo nosso dever de casa para ver a suspensão da FIBA resolvida de uma vez. Quanto a isso, estamos bem otimistas e acreditamos que teremos uma boa notícia em breve. Não esperamos que o caminho daqui para frente seja fácil, há muito o que enfrentar, inclusive o descrédito que ainda existe em relação ao basquete brasileiro. Repito, sem o apoio do COB, do Ministério dos Esportes e do CBC não teríamos chegado até aqui. Eles foram fundamentais para que cumpríssemos esse primeiro ano oficial. O que posso dizer é que vamos seguir com a mesma determinação e trabalhar com a mesma garra para reverter essa situação.

 

 

FIBA
Os Wodens!
Topo